terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Depois da tempestade, vem a enchente...rsrsrs


Suspenso de escrever. (VIDE FOTO)
Fim de ano zicado, não há de ser nada, como diz oditado:
"Depois da tempestade vem a bonanza".
Aliás assim que estiver apto a escrever novamente - acho que semana que vem - tenho que contar a epopéia da Exposição do Pequeno Príncipe (Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas)

Bon Natal e bom ano a todos, obrigado por acompanharem o blog em 2009.
Hasta

PS: Demorei uns 25 min pra escrever essas palavras com a mão esquerda, affff

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Bobagens, Bullshit - Aquecimento Global

Aquecimento Global, emissões de gases do efeito estufa, Protocolo de Kyoto, Tribunal de Haya, Copenhage. Tudo isso tem a ver com o futuro dos nossos filhos. Bullshit. Tem a ver com o agora. Que futuro é esse que esperamos se não fizermos nada agora?

Pois é, esse é o discurso dos ambientalistas, ecologistas e afins. No entanto não vejo, e sou sincero em abrir o jogo, nada, nada mesmo sendo feito para algum tipo de mudança. Quem se importa? ONGs que gastam horrores tentando fazer com que os nosso políticos enxerguem a importância do assunto? Essas mesmas ONGs que emitem toneladas de carbono mandando seus representantes para o COP (Convenção de Clima) que todo mundo sabe que nada vai adiantar? Talvez esteja sendo pessimista. Mas é só pegar exemplos. É fato, não é o Cadu se lixando. O Protocolo de Kyoto iniciado em 1997 (12 anos atrás) serviu para alguma mudança de fato? Pelo contrário, os EUA, Índia, China estão ai, poluindo mais do que chaminés da antiga Cubatão! Ah, mas agora nós prometemos diminuir a emissão. Legal, porque não reduziram há 12 anos? Porque será?

Lendo a Veja desta semana, atentem para a entrevista com o ganhador do Nobel da Paz de 1980, sim, o cara levou o Prêmio há 29 anos! Dentre as observações, uma delas me chamou a atenção, e até agora nenhuma ONG lutou por isso. "De boas intenções, o mundo está cheio, precisamos de sanções, punições para o descumprimento do que foi assinado, por exemplo no Protocolo de Kyoto". Talvez um julgamento no Tribunal Internacional na Corte de Haya, responsável pelos crimes de guerra e contra humanidade. Ou vai me dizer que isto não tem a ver com a humanidade?

São muitas perguntas, trocentas respostas vagas, vazias e nada de concreto! Chega de balela, de conversinha. Hiprocrisia de acreditar que podemos fazer algo. Bom, podemos. Pare de andar de carro, pare de fumar, pare de comprar camiseta calça (tudo provém do petróleo), pare de consumir (o consumo gera emissão). Se fizermos ao pé d aletra tudo que está nos manuais, f...
Sinceramente, não sei onde vamos parar. Toquemos, como todo bom brasileiro, com a barriga. Uma hora a bomba explode, como no filme 2012. Roteiro péssimo, idéia boa!

É triste, mas é a realidade.
Hasta

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O ano de 1994 - você se lembra?


Pessoalzinho, vocês se lembram desse ano? O que aconteceu há exatos 15 anos? A foto ilustra a época. Alguns nasciam, outros morriam. Semana passada fiz um evento, o Ayrton Senna Racing Day, no Autódromo de Interlagos. E me lembrei que há 15 anos o Brasil chorava a perda de uma de seus maiores ídolos. Mas resolvi fazer um exercício de memória e com a ajuda de uma vendedora, sim uma funcionária da Chilli Beans, relembrei o quanto o valor das coisas mudaram. Desde o sentimental, até material. Pois quase cai duro com o preço do óculos dos caras.

McDonalds - Um número 1. Aquele que eles vendem como promoção há 49 anos. (ET: Nunca vi uma promoção durando tanto tempo...)
Preço: R$ 4,85. Acreditem ou não o mesmo sanduba, a mesma batata (que nunca conseguimos fritar e deixar com o mesmo gosto) e o mesmo refrigerante hoje, custa R$ 15,00. Dá mais de 120 % de aumento.

Ônibus - para ir de um lugar a outro, pagávamos, pasmem, em 94, R$ 0,75. Siiiimmm. Hoje você desembolsa R$ 2,55.

Óculos Chilli Beans - o modelo mais caro, top, custava R$ 60,00. Gente, vá até um quiosque desses caras "pimentinha"e confiram. R$ 180,00.

Absurdo? E o seu salário aumentou assim? Bom, como jornalista, é um acinte responder isso.
Depois de mais um apagão ontem, estamos na média. E que venha a Copa, Olimpíada e afins.

Hasta

terça-feira, 20 de outubro de 2009

So tem doidinho


(ANTES DA LEITURA, ME DESCULPEM A FALTA DE ACENTOS, ESTOU ME ACOSTUMANDO A USAR O MACBOOK E SEUS QUETAIS)

Pessoal, decidi colocar aqui no blog algumas historias que tenho ouvido nas ruas de Sao Paulo de umas figuras mais do que interessantes. Estranhas eu diria, como a fera de hoje. Estava na Ponte das Bandeiras, esperando o pessoal do link do SBT desmontar as coisas para voltarmos a emissora, quando fui abordado por um cara que dizia ser o amigo do homem que se matou na sexta passada. Sim aquele que se jogou no Rio Tiete e encontram-no hoje pela manha (ET: Po, acharam o rapaz as 11h da matina e ate as 16h o IML nao tinha chegado ao local. Sera que ta faltando mais perito na cidade? enfim...). O fato e que essa fera me alugou de um jeito que eu parecia seu melhor amigo. viu o logo do SBT e meteu um: "Ohh Joo, eu conheco a TVS, o Silvio e meu amigo". Eu fiz que sim com a cabeca, imagina contrariar um cara desse, eu hein. Depois prometeu que arrebentar o Daaantena, isso mesmo. Eu tentei falar que era Datena, mas ele insistiu com o Dantena. No final disse que aquele bone que estava usando era do homem que tinha se matado...Heinnn??? E me perguntou se eu nao queria que ele se jogasse no Rio tambem para dar audiencia? Heinnnn???

So tem maluco nesse mundo, acho que eu mais ainda, por ouvir os caras. Mas dei atencao, e isso gente. Facam esse exercicio. Oucam um louco por semana, por mes, mas oucam, eles adoram e voce vai se divertir.
hasta

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

A Praia (não é o filme do Di Caprio)


Paulista indo à praia é uma das coisas mais interessantes, depende do ponto de vista. Sempre fui, seja ao Guarujá, seja à Camburi. Mas final de semana passado fui para Pitangueiras com uns amigos (Saraiva modelete ao lado) e com o Mateo, meu filho de quase 4 anos. (Vide foto no buraco feito para o "Grilo", apelido dado pelo Saraiva - depois dou o telefone para quem quiser conhecê-lo). O fato é que uma viagem como essa, feriadão de 7 de setembro nos leva a muitas reflexões. Primeiro em relação ao trânsito. Tornou-se uma coisa estúpida por exemplo pegar a Avenida Miguel Stéfano. Pra quem conhece, demorei uns 40 minutos, sim 40, da entrada da Pitangueiras até o Shopping. Que delícia, aquela mistura de carros com sons ligados cada um no seu ritmo. Claro, afinal de contas, o que vale é a diversidade, vivemos pregando isso né. O mais gostoso era o volume. Meu filho não sabia para onde olhar. Tinha funk, samba, sertanejo, rock e as gritarias. Bacana, diferente. Depois estacionar o carro é outra tarefa que devia valer dinheiro. Está mais do que claro que a cidade não comporta a quantidade de carros que descem a serra.
Pois bem. No dia 7 de setembro, dia em que Dom Pedro I, segundo os livros, "cantou" nossa independência, me senti livre como um urubu, dada a quantidade de lixo que as pessoas têm, a capacidade de deixar do lado da cadeirinha de sol. Na boa, e aquele programa de Limpeza das Praias. Não vi uma criatura distribuindo saquinhos de lixo. E mesmo asism não serve de desculpa né, é só colocar o lixo de volta no saco que você trouxe o salgadinho, enfia na sacola de praia, enfia na bunda, mas não deixa na porra da praia. (foi um desabafo).

Umas 16h00 a maré sobe e a turminha da farofa ta lá no mar, fazendo xixi e a maré "lambendo" todo o lixo pra dentro do oceano. Uma delícia atrás da outra. Depois a gente gente reclamando que o governo não faz isso, aquilo. É o povo que emporcalha tudo!

Bom, a noite antes de ir embora, aquela caminhada no calçadão. Ahahahaha. Vi uma turma de amigos capengando, um no outro, com chapéu de cowboy, típicos de Americana (terra do amigo Saraiva). Os caras já tinham xavecado o Guarujá inteiro, quando passa uma turma de meninas que eles já tinham tentando algo, em vão claro, e só faltava o berrante pra fechar a festa com chave de ouro.

Detalhe 1: Uma amiga acabou ganhando o apelido de Boca de empregada (Heinnn? mandem sugestões de significado)
Detalhe 2: Próximo guerrinha de arminha entre Mateo e Saraiva terá transmissão ao vivo, pois é um verdadeiro show. O Grilo foi "assassinado"!!!

É isso.
Hasta

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

A Coca-cola enganadora

Impressionante como a gente é feito de besta né. Pare pra pensar quantas vezes você leu certo anúncio e foi enganado. Dessa vez foi com aquelas geladeiras pickup de supermercados. Fui ao Pão de Açúcar comprar uma peça de picanha (uma paixão antiga) e peguei a fila do caixa rápido. Na expectativa de ser atentido rapidamente (hein...deu até soninho) fitei uma garrafinha de coca-cola nessas pequenas geladeiras. E um belo adesivo me avisava?: AQUI, SÓ TEM COCA-COLA GELADA!

Nossa, que alegria, uma noite caliente e uma coquinha, hum que delícia! Na hora de pegar a garrafa, achei que estivesse colocando a mão na fogueira. Não acreditei! Como pode um supermercado e uma marca de tamanha referência escorregar nesse "detalhe"? Segundos depois, não parei de rir. Depois resolvi dar o troco, já que fui sacaneado. Dei aqueeeeela chacoalhada na garrafa. Ela estufou tanto qeu parecia vidro! E fiz aquela cara pra mocinha do caixa, tadinha. Abri a garrafa, mas foi um salseiro na fila, era gente me cumprimentando, uma senhora rindo, outros bravos. Confesso que agi de maneira passional, ok! Mas pera lá. Que palahaçada é essa??? E a gerente ainda quis me dar lição de moral...

Resumo da ópera, dessisti da picanha e deixei a coca-cola no balcão melado, do lado da gerente. Tenha a santa paciência. O mínimo de zelo com o consumidor, ou to errado?

Hasta

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

A Inspeção "MotoVeicular"


Mais uma da série: A prestação de serviço no Brasil. Não entendo algumas coisas. Um carro 2007, relativamente novo, é obrigado a fazer a tal da inspeção. E uma lata velha, arrebentada, soltando mais fumo que o Bob Marley e com mais argamassa que casa recém reformada, está isenta!! Enfim, o fato é que fui levar minha moto e a Viraguinho, ano 98, tomou pau. Duas vezes. Ai resolvi seguir a risca o procedimento da Controlar. Procurar uma das oficinas cadastradas na CETESB. O funcionário disse: procure no site, tem uma lista de oficinas. Opa, que beleza. É claro que não tinha lista nenhuma, apenas um 0800 da Cetesb. Liguei, caiu a ligação. Liguei de novo, fui atendido e novamente caiu a ligação. Na terceira tentativa, pronto para xingar a terceira geração da atendente:


Moça 1 - Cetesb, bom dia senhor (Bom dia pra ela né...me controlei)
Cadu - Oi, por favor preciso de uma informação, gos...(interropido pela moça)
Moça - Só 1 minuto senhor, vou transferir.

(NOTA 1: Para onde vai transferir meu Deus do céu, nem falei o que era?)

Moça 2 -Pois não?
Cadu - Oi, é que eu fiz a inspeção veicular e queria saber onde encontro uma lista das oficianas credenciaas para levar minha moto?
Moça 2 - Humm, Não é nesse setor, você vai falar com o Wanderley.
Cadu - ok. (Pensei, agora vai, o Wandeco resolve meu problema)
Wanderley - Pois não senhor.
Cadu - Blá, blá, blá - explicação.
Wanderley - Ah o senhor tem que falar com o Sindirepa.
Cadu - Ah Sindirepa claro. (Todo mundo sabe o que é o Sindirepa, agora relaxei)
Wanderley - Entra no site e pega o telefone.
Cadu - Mas você não tem ai o telefone deles.
Wanderley - Me desculpe senhor, nosso sistema caiu.

(NOTA 2: O dia em que esse tal de sistema se materializar, eu pego esse sujeito de PORRADA, mas isso vale outro post que estou matutando).

Cadu - Ok amigo, obrigado.

Entro no site, faço o download da lista e começo a ligar nas oficinas perto de casa. Achei estranho nenhuma delas mencionar o termo "motos". Em 5 delas a resposta foi a mesma. Só atendemos carros. Catso! A epopéia ainda não acabou. Resolvi ligar no tal Sindirepa (a saber: Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo). Esses foram pragmáticos. Pergunto: Amigo, tem alguma oficina cadastrada que faz ajuste para a Inspeção Veicular, em moto?

Resposta: Para motos?? Na verdade somente uma, mas só para Honda.

É brincadeira!!!!! O que eu penso quando ouço isso. Tem muuuita gente levado grana por trás dessa sacanagem chamada Inspeção Veicular.

Conclusão: Levei minha moto numa Concessioária da Yamaha e...quem quiser saber o final da história me mande um email. Já sabem né? Pra tudo se dá um jeito.

Hasta



sábado, 1 de agosto de 2009

Escrevi outro dia que...


Sou fraco, mas quem não é. Alguém acredita que seja?
Busco força...Ela vem! Mas em formatos, não espiritualmente.
Não creio em castigo, mas porque não? Ahhh, aprendeu?
Somos frágeis, despreparados e no fim: sozinhos.
Voltamos no tempo. Reaprendemos. Mas o aprendizado serve de algo?
Se, quando menos se espera, lhes surpreendem?
De que adianta toda a vivência, todo o esforço?
Pra quê pensar lá na frente? A vida é agora, se já passou, esquece.
Desilusão? Talvez. Alguma reação? Não houve tempo.
Elas – desilusões - escorrem rumo à queda de uma cachoeira...sem volta.
Cada uma com sua dor e lembrança.
Mais uma vez o castigo. Dos dois lados. Um paga pelo outro.
Coragem. Pra quê? Pessimismo. Pés no chão. Respiro e sigo a sinaleira da vida.
E agora? Para lá ou pra cá? Talvez por aqui, o meu caminho. O meu movimento.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Revolução das Almas (se ainda não leu, manda ver!)


Por nada mais, nada menos que Aristóteles, filósofo grego, 360 A.C.

(Comentário do Cadu: É rincadeira o que esse cara pensava trezentos e sessenta anos antes do Menino Jesus. Me desculpem a falta de atualização, falta tempo, tb inventei deter tudo, facebook, twitter, blog, site...só falta um Black Berry. Mas acho que será legal, ai de onde estiver posso postar as coisas, mas vamos ao texto. Vale a pena, depois dou meu ponto de vista)


Ninguém é dono de sua felicidade, por isso: não entregue sua alegria, sua paz e sua vida nas mãos de ninguém, absolutamente ninguém!Somos livres, não pertencemos a ninguém e não podemos querer ser donos dos desejos, das vontades ou dos sonhos de quem quer que seja.A razão da sua vida é você mesmo. A sua paz interior é a sua meta de vida.Quando sentir um vazio na alma, quando acreditar que ainda está faltando algo, mesmo tendo tudo, remeta seu pensamento para os seus desejos mais íntimos e busque a divindade que existe em você. Pare de colocar sua felicidade cada dia mais distante de você. Não coloque objetivos longe demais de suas mãos, abrace os que estão ao seu alcance hoje. Se anda desesperado por problemas financeiros, amorosos ou de relacionamentos familiares, busque em seu interior a resposta para acalmar-se.

Você é reflexo do que pensa diariamente. Sorrir significa aprovar, aceitar, felicitar. Então abra um sorriso para aprovar o mundo que quer oferecer a você o melhor. Com um sorriso no rosto as pessoas terão as melhores impressões de você, e você estará afirmando para você mesmo, que está "pronto“ para ser feliz. Trabalhe, trabalhe muito a seu favor. Pare de esperar a felicidade sem esforços. Pare de exigir das pessoas aquilo que nem você conquistou ainda. Critique menos, trabalhe mais. E, não se esqueça nunca de agradecer. Agradeça tudo que está em sua vida neste momento, inclusive a dor. Nossa compreensão do universo ainda é muito pequena para julgar o que quer que seja na nossa vida. Grandeza não consiste em receber honras, mas em merecê-las.

Se você anda repetindo muito: “eu preciso tanto de você” ou, “você é a razão da minha vida” - cuide-se. É lícito afirmar que são prósperos os povos cuja legislação se deve aos filósofos. A inteligência é a insolência educada. Nosso caráter é o resultado de nossa conduta. Egoísmo não é amor, mas sim, uma desvairada paixão por nós próprios. O homem sábio não busca o prazer, mas a libertação das preocupações e sofrimentos. Ser feliz é ser auto-suficiente...Seja senhor de sua vontade e escravo da sua consciência.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Elevador x Socialização x :-? (cara de ?)


Quem mora em prédio deve estar acostumado com certas situações, como por exemplo pegar o elevador. Pare pra pensar. E ai? Talvez dependa do ponto de vista das pessoas. Tem gente que acha que é uma das coisas mais constrangedoras de um condomínio. Outras vêem com outros olhos (é redundante né, agora que percebi, se vou ver, não ser com o nariz). Mas preste atenção nas atitudes das pessoas dentro de um elevador. A primeira coisa que percebo é a cabeça baixa. Aquele “oi” meio tímido, aquele “opa” sem graça ou um “tudo bem” só por educação. Se for uma pessoa que você conheça há anos, sempre surge um “e seu pai ta bem, ou e seu filho, nossa como ele cresceu”.

Outra coisa interessante de se observar. Chaves. É um tal de procurar e pegar chave, que parece que vai sair aquele tarugo de chave igual de carcereiro de cadeia. E o pior, a criatura fica olhando pras chaves na mão como se estivesse se forçando a lembrar. “Meu Deus, qual é mesmo a chave da minha casa?” E fica naquele namoro até chegar ao andar. Ou ainda tem aqueles que resolvem ler recado do síndico, mesmo que este seja da Assembléia de 1994.

Outro dia entrei no elevador e a garota colocava a mão no bolso, como se procurasse algo. Eu hperguntei se ela havia perdido alguma coisa, sei lá. Ela respondeu: “Não, meu celular, não sei onde enfiei.” E quando vi estava na mão dela. Talvez se escondendo da dona, pois ela tinha jeito de louquinha. É lógico que a moça sabia, ela tava tentando disfarçar aquele tempo de elevador com alguma coisa.

Mas já presenciei caso de casais darem uma brigadinha (em voz baixa, mas audível) no elevador. Uma coisa meio Big Brother, você fica querendo ouvir, ehehehe. Fora aqueles que resolvem se desfazer de gases flatulentos (pum!) assim que saem do local, deixando uma lembrança para quem entrar.

Enfim, da próxima vez que entrarem em um elevador, tentem ser simpáticos, perguntem algo divertido, ou coloque umas trocentas chaves no seu molho e tente de fato descobrir qual delas abrirá, de fato, sua casa.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Um jogo de figuras


No último domingo (21/06/09) fui ao jogo entre Corinthians e São Paulo. Além do resultado ter sido fantástico (me desculpem os são-paulinos, mas até o Jucilei, hein, sim, o Jucilei, do extinto J.Malucceli, fez gol!) pude fazer uma das coisas que mais gosto neste profissão - que hoje pode ser exercida sem diploma - que é observar.
Minha epopéia começa no chegada ao estádio do Pacaembu. Adivinhem? Eles, os tão famigerados flanelinhas, que faturam mais que muitos Doutores por aí. Mas estava embuído no espírito esportivo.
Flanela - E ai doutô? Vai pro jogo?
(Opa, se encosto o carro no meio fio, não vai ser pra pedi cigarro né? E outra, nessas ocasiões me sinto um "catedrático", um lorde, porque em jogo de futebol todo mundo vira doutô né)
Cadu - Sim chefe, quanto é?
Flanela - O doutor desce que a gente conversa.
Desci e o rapaz mandou.
Flanela - É vinte douto, mas a gente fica de olho até o final do jogo. (Sim claro, eles não juntam tudo pra comprar cachaça, tampouco assistirem o joguinho não). Eu disse que só tinha 10 conto. Ele riu da minha cara e soltou a seguinte pérola:
Flanela - Ai dá problema com o fluxo de caixa, desestabiliza né doutor.
Cadu - Mas amigo sempre venho aqui, sou jornlaista.
Parece que disse a palavra mágica. Pensei ou me f...ou o cara nem cobra.
Flanela - O Chocolate (devia ser o chefe do pedaço) vou fazer por 10 conto pro repórti aqui.
Paguei e entrei.
No caminho aquela festa de mijar em pneu de carro se torna uma constante.
No estádio eu e o colega Fabrício Bósio (Record) nos instalamos na arquibancada. Ali é um festival de pauta né.

Um tiozinho no auge do seus 47 anos resolve ser o ponto eletrônico do telão do Pacaembu.
Começa o jogo e o tio aponta pra mim que o jogo do Santos também teve início.
Ele falava: Olha lá (apontando) o Santos começou ganhando.
E eu querendo ver o jogo.
Minutos depois, o tio: Oia, o Framengo, sim puxava o R, também fez gol.
Depois de muitas cutucadas no meu ombro o tiozinho decide deixar o lugar. Posso finalmente ver o jogo. Mas, quando menos espero o tio volta. E tinha ido ao banheiro.

Enfim, soube de todos os resultados dos outros jogos e perdi alguns lances do timão contra o tricolor. Mas valeu, pois também pude perceber que o brasileiro mais uma vez provou, pelo menos no meu ponto de vista, que é diferente de qualquer outro povo do mundo. Na hora dos gols era uma festival de abraços entre pessoas que nunca se viram, rico, pobre, jovem, crianças e velhos.

Ainda tem gente que acredita na frase que eu acho que é do Milton Neves. "O futebol é coisa mais importante das coisas menos importantes que existem".

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Tá bom, tomei coragem. O Amor,



Depois de muito tempo resolvi escrever sobre AMOR. Sim, essa palavrinha que pega muita gente de calça curta. Na verdade eu reafirmo aqui que é o Meu ponto de vista, nada é verdade absoluta, ainda mais quando se trata das minhas reflexões, que eu mesmo as considero suigêneris, loucas.


Após uma longa conversa com um amigo, que reservo o direito de preservar a identidade, na noite deste domingo (15/06)/2009, chegamos a conclusão que o apego ao companheiro (a) é o grande X da questão.



Se existe apego, tudo é mais complicado e mais fácil também. (por isso me refiro às minhas maluquices, afinal de contas em qualquer situação existem os dois lados, na minha opinião) Quando se fala em amor, o que lhe vem á cabeça? Amor carnal? Amor amigo? Amor de pai e mãe? Amor a qualquer custo? Amor acima de tudo? Amor de Carnaval? Amor divino? Complexo né. Acredito que todos eles têm a sua hora, o seu momento, e é justamente por isso que ele, o amor, nos fascina. O dicionário diz: O conceito mais popular de amor envolve, de modo geral, a formação de um vínculo emocional com alguém, ou com algum objeto que seja capaz de receber este comportamento amoroso e alimentar as estimulações sensoriais e psicológicas necessárias para a sua manutenção e motivação. Objeto capaz de receber comportamento amoroso é demais né, por essa não esperava.



Foram necessárias mais de 5 horas de conversa, duas garrafas de vinho (ruim, era blend) para concluirmos que, além do apego, não há conclusão. Cada qual vê o tal do amor à sua forma, do seu jeito, à sua maneira.



Talvez eu "perca" mais algumas trocentas horas igual às antigas lições de inglês na escola, estilo Listening and compression...ou talvez nunca o compreenda.


Hasta




PS:Calma pessoal , não estou deprê, foi um desabafo!

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Manias e TOCs


Ao longo do tempo as pessoas desenvolvem as manias mais malucas e curiosas. Talvez porque tenhamos herdados dos nossos antepassados.
Eu me vi nessa situação semana passada. Não posso tocar um gato, sim o animal, e colocar o dedo no olho que me transformo numa criatura medonha. Meu olho fica igual ao olho de Tandera. Lembra do Lion? Sensacional.
Mas o fato é que fui pingar um colirinho básico e quando me dei conta tava abrindo aquela bocarra. Chega a ser ridículo, mas engraçado. Não tem um santo que não abre a boca. Prestem atenção, com discrição claro.

Outra mania, ou toque interessante é a de andar nos ladrilhos, igual ao Jack Nicholson, no filme As Good As It Gets, Melhor Impossível em Português. Outro dia no SBT me peguei andando nos quadradinhos e quase dei de cabeça com a Maísa, sim a menina prodígio. Eu hein!? Ehehehe.

É isso gente, me desculpem os dias ociosos/sem postar, mas agora também estou com o twitter e em breve serei mais ativo.

Hasta

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Tecnologia - de doido


Outro dia não resisiti e entrei no tal Facebook. É impressionante, chega a ser idiota, a quantidade de ferramentas que nós temos pela internet. Eu sempre fui intransigente em relação a esse facebook e ao twitter. Como curioso resolvi entrar. Resultado? No primeiro acesso ganhei umas olheiras que o maquiador do SBT me perguntou se a noitada tinha sido tão boa quanto às olheiras profundas.


Ao fazer login no facebook percebi que se trata de uma mistura de orkut, twitter e blog. Pra uns simplesmente um luxo, parafraseando o saudoso (?) Athaide Patrese, que merece um colchetes. {Lembram dessa fera? A última vez que o ouvi, foi no Trip Eldorado, depois de duas semanas o cara morreu. Alias, sou craque em "matar" pessoas. Aconteceu a mesma coisa com o Beto Carreiro: assiti o Gordo Visita na MTV, e o homem abotoou o paletó dias depois, enfim. Ja me benzi}.


Voltando ao aquário. Um luxo que pode se tornar uma ferramenta das mais eficientes. O twitter é uma coisa de maluco. Você se cadastra pra saber, hipoteticamente, se o Marcos Mion soltou um pum no estúdio de gravação. Ou se o Inri Cristo (sim, aquele ventríloco que se acha Deus) traçou uma de suas seguidoras. É coisa de maluco mesmo.


No orkut você vira uma espécie de bisbilhoteiro da vida alheia. E quem não gosta vai?

O BLOG é um espaço para que as pessoas acompanhem as demandas, anseios e pensamentos de outrém. Bacana também né?


E o Facebook une tudo isso. Você vai dando roll down na página incial e sai lendo tudo o que qualquer pessoa do seus metiê resolve escrever. Por exemplo: Meu primo que além se ser padrinho é sócio, mandou algo: Começo de semana gripado. E recebeu uns comentários de melhoras, relaxa, é poluição...achei fantástico.


Bueno, viva as (re) evoluções tecnológicas.

Hasta

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Constipação


Impressionante a capacidade que nós paulistanos temos de poluir o ar da cidade. Uma das consequências disso, é a famosa rinite. Aliás nascer com rinite é condição sine qua non para qualquer criança descendente de pais nascidos em grandes centros urbanos.

Na última sexta-feira foi minha vez. Mas ter um resfriadinho pode ter seu lado cômico. (Como tudo na vida) Sim. As pessoas têm manias de serem médicas. É um tal de falar: Nossa, a coriza ta incomodando né? Pinga logo um Rinossoro nesse nariz.
Lembro mais uma vez do amigo jornalista Mombelli. Sempre que me via resmungando de gripe, sugeria a seguinte receita: Cadu, pega tudo o que você tem na geladeira. Laranja, maça, todas frutas que encontrar (ok), Cenoura (ok), Beterraba (tá, ok), Alface (hein?), pedaços de carne, arroz e bate tudo no liquidificador!!!!

Eu quase vomitei ouvindo isso. Imagine, a gripe vai embora e eu nunca mais chego perto de uma mulher, pois a flatulência meus amigos...ehehehehehehe.
Mas achei uma fórmula que têm se mostrado eficiente. Tomem nota:

1 laranja
2 limões
2 colheres de mel
Esprema tudo isso num copo, feche o olho e mande ver.

Depois pegue uma daquelas garrafinhas de água, ou caramanholas, e coloque umas 8 pastilhas Cebion de Vitamina C. Beba como se fosse água. Repita no período noturno.

Garanto que em 24 horas você se senitirá melhor, ou vai adquirir uma úlcera, porque a acidez desse coquetel molotov é brabo!
Hasta

terça-feira, 12 de maio de 2009

Expansão Imobiliária


Para falar a verdade deveria ter escrito Imobili"chata". É impressionante como uma obra causa tanto desconforto. Nunca antes na história desse país (parafraseando o digníssimo presidente) dormi tão mal e fiquei com ódio de caçambas, motoristas de caçamba e todo tipo de material de construção. Faz 1 mês que tenho convivido com esse pesadelo e o prédio nem chegou ao 8˚ andar.
Não sou contra a obra, mas as condições em que você é obrigado a aceitá-las, são tristes. A começar pela poeira, todo dia tenho que tomar um comprimidinho contra rinite, pra quê mucosa nasal né?

O edredon do quarto parece que é pintado todo dia. Ja foi marrom, cinza, fora quando sonho que estou dormindo na praia, uma delícia gente! Mas você está pensando. Ah, tudo isso começa umas 9h00 né Cadu? Claro...que não. As 6h00 dá pra ouvir a turma chegando, parece mesa de truco. É o Boca de Galinha cumprimentando o Zé, que berra pro Seu João fazer um pingado no capricho e por ai vai.

Fora quando eles resolvem simular uma situação de terremoto no Brasil, aí é bacana. O estrondo é semelhante, treme tudo, uma loucuuuura!

Pra finalizar, as caçambas. Ah essas têm um lugar reservado no meu coração. Porque o ódio que tenho nutrido por elas, me faz pensar se é caso de amor. De verdade. Sem brincadeira, os caras chegam as 00h12 e simplesmente começam a descarregá-las na rua. O pessoal do prédio já foi reclamar e eles retrucaram dizendo que só tem esse horário, que nos desculpassem. Ahahahahaha. Imagine você meu amigo, tentando ingressar no soninho com aquele trilha sonora que mais parece um dia-a-dia de ferro velho. Olha, eu diria que quase me juntei a eles um dia e propus uma troca. Eu ficaria ali e eles tentariam dormir. Em vão, pois dois comprimidinhos de Dramin me derrubaram. Sem contar no caminhãozinho de cimento hein, que coisa mais agradável. A melhor parte é quando resolvem fazer a mistura do cimento em frente a nossa sacada. Gente é uma visão e tanto. Minha vontade é... bem, deixa pra lá.

Conclusão, estou ficando viciado em Cloratadd (rinite) e Dramin (pro soninho); e ainda quero matar uns 30 pedreiros, do resto vamos tocando.

Hasta

segunda-feira, 4 de maio de 2009

No ar - Helicóptero do SBT


Voar de helicóptero sempre foi o sonho de muita criança. Não fui diferente, aquele pássaro grandão, imponente como um avião e tão rápido me fazia sonhar. Hoje volto a trabalhar com ele. Depois de alguns anos fora do circuto - Bandeirantes e Eldorado - estou fazendo o helicóptero do Programa do Ratinho. E hoje, dia 4 de maio de 2009 foi nossa estréia. Televisão é completamente diferente de rádio, mas por incrível que pareça me senti à vontade na frente de uma câmera e interagir com o Ratinho é fora de série, o cara é um baita comunicador.

Antes do programa ir ao ar, gravamos uns pilotos. E logo na segunda entrada senti o clima descontraído e alegre.

Ratinho: Vamu chama o Cadu, quer ver que o Cadu ta na zona? O Cadu onde cê tá?

Cadu (concentrado em falar corretamente, nem se toca): Oi Ratinho, estou na zona Norte...por aqui...(interrompe)

Ratinho: Oia lá, num falei que tava na zona, diga lá meu querido?!

Enfim, voar de helicóptero é ótimo, mais uma vez. Ver essa megalópole doida dos céus de São Paulo é impagável. E espero que todos se divirtam e fiquem bem informados das 17h30 às 18h30.

Se, sustos, porque hoje a ventania foi um Deus nos acuda viu gente. Eita.
Hasta

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Brasiloamericano


Alguém ai já parou para notar que desde bebezinhos somos influenciados a reverenciar a cultura norte americana? Nada contra, mas a verdade é que não damos a devida importância à nossa "brasilianidade". Hoje me considero um brasiloamericano (licença poética). Outro dia fui ao cinema e me deparei com o balcão de doces repleto de gostosuras com nomes "gringos".

- Por favor moça me vê um Snickers. E também uma Diet Coke. Ou melhor, prefiro o Combo nº1. Faz o seguinte, quanto custa o Twix? Hum, se bem que o Nestea combina mais com Chiken Popcorn. Acho que o único que salvava era o velho e bom Diamante Negro.

Onde vamos parar né? Qual a nossa língua afinal? A cada dia eu chego mais a conclusão de que nós somos uma nação completa. Temos que falar inglês, português do Brasil, português de Portugal (com a nova regra gramatical), portunhol (já que vira e mexe nos confundem com argentinos). Temos que conviver com tudo. Até com político dizendo uma coisa num dia e no dia seguinte, ele tem a cara mal lavada de dizer que refletiu melhor por conta pressão do povo. No dito popular: virou a casaca!

Hasta.

Me desculpem a ausência. Prometo tentar voltar a escrever com mais frequência.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Curriculum

Esta semana estávamos selecionando, aqui na rádio, um repórter para o programa que eu trabalho.

No entanto preciso relatar peculiaridades. Algumas engraçadas, outras tristes, de verdade. A vaga foi anunciada da seguinte maneira:

*Repórter para programa de rádio.
- Gostar do veículo
- Experiência em rádio
- Disponibilidade para manhã e tarde (a princípio a tarde)
- Início em maio / Salário - R$ 2.000,00

Pois bem, começando pela parte tragicômica.
Um deles enviou um detalhe interessante com relação à formação do 1º grau. Os nomes são fictícios.
- "Inesquecível" EMEI Ofélia Santos (Hein?! guarde este detalhe para contar ao sogrão né)
Outra: Essa, ao meu ver, tem relação direta com a (falta de) de leitura com o anúncio.
- Recém-formada em Administração de Empresas, no entanto com muita disposição para aprender sobre rádio. (Pera lá, se fosse de Publicidade e Propaganda até entendia, está na área de Comunicação, mas ADM?? Não entendi.)
Mais uma: Vale como dica. Experiência em rádio não significa ter feito matérias na faculdade. A experiência significa ter feito rádio-escuta, checagem ou até mesmo reportagem em alguma emissora. Acredito que os postulantes à vaga não precisam se "queimar" à toa. Se não tem experiência, ok, talvez outra vaga tenha o seu perfil. Mas reportagem de rádio pra faculdade, definitivamente não é experiência em rádio.

Outra interessante foi de uma atriz. (??????). Com fotos, etc. Não consegui compreender qual foi o intenção da moça. Outros locutores, dubladores, apresentadores. Mas o anúncio era claro. No meu ponto de vista, Repórter de Rádio, deve ser jornalista e não algo do gênero.

Agora uma crítica ao Sistema. Mais de 40% dos candidatos tinham Pós-Graduação. Ou até mesmo mestrado. É triste a realidade do mercado, por isso não os culpo de maneira alguma, pois pimenta nos olhos dos outros é refresco, como diz o chavão. Mas é triste o mercado não poder atender essa demanda de excelentes profissionais.

E muitas vezes a empresa não contrata pois acredita que ele (a) seja muito qualificado para a vaga. Também tive a experiência de receber ligações de pessoas que moram em outro estado interessadas na vaga e que fariam de tudo para ter o emprego. Por isso caros, dêem valor ao que têm, muita gente faria de tudo para estar no seu lugar.
Boa sorte a todos.

Hasta

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Páscoa - Modernosa


Antes de mais anda, me desculpem a ausência, a Páscoa me tomou boa parte da semana. Mentira, mas queria que tivesse tomado. Lembro com saudades da época em que passava o feriado em Camburi. Minha mãe e minhas tias faziam "Caça ao Tesouro" com os ovos de chocolate. Muitas vezes comia uma formiguinha junto, mas tava valendo. Até hoje acredito que faziam bem para o cérebro, memória e quetais.

Mas o que fato é que nos dias de hoje as coisas tomaram novos rumos. É natural, não adianta viver no ostracismo tecnológico. O Mateo, meu herdeiro de todas as dívidas, ganhou uns 8 ovos nessa Páscoa.

Do Ben 10 foram três. Ambos com o tal relógio XPTO que lança discos. Fiquei fascinado com a complexidade da parada. Nos idos de 90, quando tinha 10 aninhos, me contentava em devorar os bombons dentro do Ovo de Chocolate (Não existia essa personalidade pascoalina). Hoje a criançada ta afim do brinquedo mega blaster, super hype modernoso que vem dentro dele. Mateo até esqueceu o chocolate por ora. No do Batman veio um Batmóvel (que aliás os gênios da marca querem te forçar a ter miopia né, 30 adesivinhos medindo 0,2 por 0,1 mm) em duas partes e assim que vc dava fricção ele se partia, saindo de dentro o Batman de moto, igual o Cavaleiro das Trevas. Sinistro. Veja a foto!

Gente, que loucura! Daqui uns anos os ovos virão com Ipod, Ifuckers, Mp19 e por ai vai.

Hasta.

terça-feira, 7 de abril de 2009

No metrô - um apoiadô!


No metrô, talvez por conta do aumento do número de passageiros, as pessoas acabam fazendo coisas que normalmente não fariam. Pelo menos prefiro acreditar desse jeito.
O fato aconteceu com o meu amigo Mombelli, uma figura emblemática (veja a foto - retrata a personalidade dele), que estava sentado em um dos bancos do vagão, quando subitamente percebeu que algo pressionava seu precioso cérebro para baixo, como se fosse um bólido pombo repousando no fio da rede elétrica. Mas isso seria impossível, afinal de contas por onde entraria uma ave?!

Assim que olhou para cima percebeu que um jovem, completamente distraído, na verdade usava a careca do vovozinho como apoiador do Estado de S. Paulo. Imagine a cena. E segundo Mombelli o rapaz ainda deu aquela apoiada na cabeça, um belo descanso de braço. Completamente sem graça o jovem, ao perceber que usava as madeixas grisalhas do senhor como bandeja, pediu desculpas e se mandou.

Aliás o metrô é recheado de intempéries e peças raras. O mesmo Mombelli me confidenciou que, por diversas vezes, fora abordado por transeuntes da seguinte maneira; "Dá um cigarro". Ele responde: "Não fumo".

A réplica: "Então dá dinheiro pra eu comprar cigarro". Ehhhh cidade louca, maluca, repleta de figuras!

Hasta.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

François x Potuguêis (assim mesmo)


Outro dia numa mesa de restaurante japonês, ouvi o amigo Ricardo Baitelo (curtoegrosso.net) dizer algo em francês. Não lembro mesmo o que era. Mas me deparei com uma situação que muitos aqui com certeza já passaram.

Naquele bate papo gostoso, sem intenção nenhuma de chegar a conclusão de nada, do tipo descontração total, ele soltou algo como Je suis xxxx.

Num ímpeto de tentar demonstrar minha familiaridade com o idioma, respondi: Que isso cara, você ta brincando, não faz isso não. E na hora ele quase despencou da cadeira de rir, pois era uma afirmação do tipo, Eu sou um cara que ama o mundo. E minha resposta foi completamente non sense. Depois é claro que assumi ser um neófito em francês, mas até então dei uma de sabichão e me estrepei.

Ou ainda quando, em inglês, alguém comenta algo e você só acompanha com Yes, sure, Yes, Ahã, Yes. Ai, ai, ai. Que dureza.

É isso.
Hasta

Where is Matt?

Fazia tempo que não assistia, vale a pena..
Assitam esse video.


Sensacional. Depois, atenção, somente depois, cliquem aqui.


Hasta.

terça-feira, 31 de março de 2009

Diploma Jornalista x Lei de Imprensa


Já disse aqui no Blog. O jornalista é descartável. É fato, o servente de pedreiro tem uma função muito mais nobre do que desse que vos fala.

Bom, amanhã, dia 1º de abril, o Supremo Tribunal Federal, vai julgar se é necessário ter uma Lei de Imprensa e se é obrigatório o diploma para jornalistas.

Deixo a pergunta no ar. Mas como o intuito do Blog é dar Meu Ponto de Vista, vamos lá.
Acredito que jornalismo se aprende em tudo quanto é lugar. Nas ruas, nas escolas, universidades, etc. Conclusão: Deve ser obrigatório sim o diploma, mas sugiro que fosse realizada uma espécie de provinha, como os formandos em Direito são obrigados a fazer, o que lhes dá o direito de advogar. Porque não?
Em relação à Lei de Imprensa. Os meios de comunicação tem a impressionante capacidade de mover multidões em torno de um tema que lhe diz respeito. Para mim é complexo. O Brasil tem tradição em ter normas que regem a mídia. Mas por outro lado vai na contramão da liberdade de imprensa, os Blogs estão ai para provar a tese. Qualquer um pode expressar sua opinião num espaço democrático. Enfim, difícil de dizer sim ou não.

Viva o estado democrático de direito (?!)

Hasta

sexta-feira, 27 de março de 2009

No Estaleiro - Um Hospital


Pois é, fazia uns 5 anos, mas fui parar no hospital na última terça-feira. Foi mais uma experiência incomensurável. A começar pelo atendimento no Pronto Socorro. Cheguei lá achando que uma pancadinha no cotovelo me renderia uma injeção de Voltarem, uma compressa de gelo e pronto.

Nada, descobrimos que se tratava de uma infecção no local do edema e que após os exames de sangue, não haveria outra opção. Vai internar. Nããão, como assim? Internar amigo? Foi só uma pancadinha no chão. As vezes esqueço que sou meio pesado, passei dos 3 dígitos e esse ano quase cheguei nas 30 primaveras.
Prólogo - Fui internado de terça para quarta, as 3h00 da manhã, depois de esperar umas 3 horas para liberarem o leito (chique né, não é quarto, é leito) e fazerem propostas indecentes, como me colocar na Enfermaria 2 (o que seria a 1?) fui para o apartamento 833.
Aí vem a parte mais engraçada. A quantidade de vezes que acordam você. Primeiro é pra dar as boas vindas. Hein?! Depois a enfermeira-chefe se apresenta. Aí chega a auxiliar da enfermeira-chefe. Todas medem a pressão, perguntam meu peso, altura e o que tinha acontecido. Juro que da próxima vez levo meu gravadorzinho digital e faço a locução dos fatos.

Quando você acha que vai dar um cochilo, lá pelas 5h30 da madruga, entra a auxiliar de novo para aplicar o medicamento. Ai da aquele mega vontade de fazer xixi, porque não importa se o seu caso é ou não desidratação, mas o que eles te enfiam de soro na veia não é brincadeira. Parecia uma das esculturas da Fontana di Trevi. As 7h00, adivinhem? Troca de turno. lá vem a enfermeira-chefe se apresentar, blá, blá, blá, auxiliar, etc. Detalhe: Tinha ido direto do futebol, ou seja não tinha roupas extras, portanto estava com aquele modelito bonito de hospital, parecendo aqueles doentes em fase terminal, sabe, cheio de olheira, ridículo.

Opa agora vou cochilar, depois de tomar 5 litros de soro, antiobiótico, 5 tipos de analgésico (de Tramal a Tylatil) grogue de sono, adormeço. Por 25 minutos. Entra a médica. Ela fica uns 5 minutos na sala, me pergunta o que aconteceu (dãã) e sai dizendo que eu teria que fazer um ultrassom. Muy bien. Agora consigo nanar, não, vem o café da manhã. E assim sucessivamente, lanche da manhã. Almoço às 11h30 e o médico chefe de equipe. Beleza, vou ganhar alta e ir embora pra casa dormir. Que nada, a visita dele foi a mais rápida e desalentadora de todas.

''É Carlos (pra quem não sabe meu nome é Carlos, Cadu é apelido, né mãe) ainda está inchado, vamos observar mais um pouco". Pensei, beleza daqui a pouco ele volta e me libera.

Conclusão: Fiquei até quinta-feira depois do almoço internado. E naquele esquema de troca de plantão, conheci umas 6 enfermeiras-chefe, 19 auxiliares e repeti a porra da história umas 42 vezes.

Cheeeeega, não aguento mais! Vou pra casa e a empregada me pergunta: Mas Cadu, o que aconteceu? ahahahah. Ainda bem que ela pediu as contas.

Hasta

segunda-feira, 23 de março de 2009

CQC X Política


Vendo hoje o fantástico CQC você começa a ponderar algumas coisas. Brasília foi feita para expor as obra do Niemeyer. Nunca para abrigar àqueles que nos representam.

Não é possível a quantidade de ignorantes que temos lá. Quando o repórter pergunta se o cidadão sabe o que significa a sigla do partido PMDB, o mínimo que se espera é uma resposta próxima da correta. Não estou falando do cidadão brasileiro, mas de um político catso, ou patso! Um cara que está envolvido com política meu Deus do céu. Desculpas esfarrapadas como: "Sou de outro partido", é chamar a gente de imbecil, é um atentado à inteligência. Teve um que conseguiu enrolar o significado da palavra M, que nem o pessoal da edição decifrou! Disse: Partido do mjhiioAhgskvrgoxdso brasileiro.

Não precisa contar história do MDB (Movimento Democrático Brasileiro) que teve figuras ilustres como Ulisses Guimarães, dentre outros. Mas estamos falando de deputados, senadores (esses que têm diretor da garagem, diretor de controle de café, diretor de aquário, ahahahah) com o mínimo - parafraseando o "nobre e saudoso" Enéas Carneiro - capacidade intracromossomial.
Ai vem outra pergunta. O que significa FMI. É exagero exigir que os digníssimos saibam que é Fundo Monetário Internacional? E que o Brasil não pede mais dinheiro ao Fundo faz um tempinho? Enfim.

Não, não é enfim, é o FIM, da picada. Ahh, gostaria muito de fazer parte da equipe deste caras, seria outra abelha na orelha dos nossos representantes.
Hasta

quarta-feira, 18 de março de 2009

Faixa - pra quê?


O que será que se passa na cabeça de um cidadão que ao ver CLARAMENTE uma faixa EXCLUSIVA para conversão à esquerda, resolve, sem pestanejar, se postar no local como se fosse um farol fechado?

De verdade, acho que na hora de passar na fila do cérebro humano e massa encefálica, trocaram por titica de galinha.

Uma falta de respeito absurda. A vontade é dar uma buzinadinha e perguntar ao cidadão porque ele faz isso com a cidadania?

Fui testemunha desse acontecimento na Avenida Doutor Arnaldo com a Cardeal Arcoverde. Uma cara de pau tremenda, nem com óleo de peroba dá pra lavar a face desse imbecil.

Um descarrego, me desculpem. Essa foto cima ilustra a (falta de) educação dos nossos motoristas.

Hasta

quinta-feira, 12 de março de 2009

Lisoform X Hipoglós


Uma pausa nas estórias e histórias do nordeste brasileiro para uma constatação.

Vejam, uma constatação, cheguei a um resultado/conclusão que me emocionou.

Em suma. Há uns 15 anos meu finado Vô, por parte de mãe, sempre utilizava Lisoform, isso mesmo, Lisoform para todo e qualquer tipo de intempérie. Impressionante como esse produto era multiuso para vovô Mário.

Joelho raspado, Lisoform! Picada de pernilongo, muriçoca, abelha e marimbondo, pega o Lisoform Spray para aliviar a coceira. Ta meio na "asa", não passou desodorante, um borrifadinha de Eau Lisoform no sovaco dava um jeito. Cheguei a ver meu avô passando o bendito spray nas correntes das bicicletas de todos os netos. Lembro como se fosse ontem. Ele tinha tubos e tubos na casa em Camburi. Se alguém fosse picado por cobra, estava lá o velhinho com o Lisoform na mão.

Enfim, meu vô morreu em 1994 e ninguém da família levou adiante a epopéia do Lisoform, certo? Não, eu tenho a honra de anunciar que descobri um produto tão eficiente quanto o de Vovô.

Hipoglós, sim ele mesmo. Além de super eficaz contra assaduras de bebês e gente grande, vai me dizer que nunca teve vontade de um hipoglosinho naquele assado de praia?

Pois é, esses dias estava em Salvador (fui visitar Gabi e o barco do Greenpeace, que aliás mais uma vez cumpriu e bem o papel de interlocutor entre o povo e poder público, dêem uma olhada no Blog) saindo de um bar lá pelas tantas quando, num ímpeto de ver de perto a marca do rejunte no chão, rolei no último degrau do bar pela calçada, como se fosse um saquinho de leite.

Fora a cena rídicula perante aos amigos, o incidente me arrancou um tampão do dedão do pé esquerda (justo a canhota). Cheguei no hotel e procurei na maleta algo para passar, nada. De repente avisto na necessáire do Mateo um tubo de Hipoglós. Fui com tudo. Dia seguinte, de novo. Hoje, 6 dias depois, nem um médico seria capaz de dizer que me acidentei?!

Ahã, descobri, o Hipoglós é o novo Lisoform, viva Vovô Mário.


Hasta!

quinta-feira, 5 de março de 2009

Pizza - Delivery´s Recife


Pedir uma pizza do Hotel em Recife foi uma das aventuras mais surreais que tive em toda minha vida.
A cena era a seguinte. Após horas dormindo sob o ar condicionado, delicioso, do quarto do hotel, eu e minha esposa decidimos, preguiçosos, pedir uma pizzinha no quarto e também variar um pouco a overdose de peixe.

Ok, pedi à recepção uma indicação, peguei o telefone, liguei e o diálogo começou:


Cadu - Oi boa noite, gostaria de fazer um pedido? Estou no Hotel Manibu.
Moça - Ah sim, fica aqui do lado, a dois quarteirões. Pois não sr. Qual seu pedido?

Pensei: Começamos bem vai. Lindo, to do lado do papo, vai chegar rapidinho.

Cadu - Meia Marguerita e meia frango com catupiry. Mais uma Coca-cola normal dois litros.
Moça - Ok senhor, deu 27 reais. Em 50 minutos chegará seu pedido.

Pensei: Tudo bem vai, em SP demoraria 30 minutos, aqui ta de ótimo tamanho.

Cadu - Ok moça, obrigado e boa noite.

Tic tac tic tac tic tac...50 minutos depois. Eu converso com Gabi e digo. Amor, não chegou, será que eu ligo? Ela, pára Cadu, que nóia de paulista, deve estar chegando. É né, tem razão.

Tic tac tic tac... 1 hora e 25 minutos depois. Ligo e tenho a seguinte resposta.

Moça (a mesma) - Senhor, é que tinham 10 pizzas na frente da do senhor, agora só faltam 4.
Cadu (respira fundo) - Ok moça. Então mais 10 minutinhos?
Moça - Isso, boa noite.

Tic tac tic tac tic tac...1 hora e 58 minutos. Ligo novamente para cancelar e tenho a resposta.

Moça - Senhor, estamos colocando agora no forno, mais 5 minutinhos.
Cadu (engolindo em seco) - Ok.

Tic tac tic tac tic tac...2 horas e 15 minutos. A pizza chega. E os refrigerantes vêm em lata. Nem reclamei. Uebaaa! Espero o troco para 50 e o rapaz diz: Você pediu troco?


Pensei: Não, adoro fazer caridade e doar 23 reais do meu ordenado, dãã.

Respondo que sim. Ele se desculpa e diz que vai pegar e já volta.
Surpresa!!! Pedi meia Marguerita, essa veio, meio torta estilo motoboy, mas veio. A outra metade, Baiana. (Hein ?????) Bacon, presunto, coisa leve pro horário (23h58).

Liguei lá e contei que haviam mandado a pizza errada e o troco não tinha vindo. A resposta, a melhor de todas.


Moça (ainda a mesma) - Senhor acabei de checar, acabou o frango, por isso mandamos a baiana.
Cadu (???) - Ah sim, claro. Mas eu não queria essa e agora?
Moça - Senhor, eu posso mandar uma só de catupiry, sem o frango. E mando junto o troco.
Cadu - Ok.

Conclusão devoramos as pizzas de Marguerita e Baiana e depois de 30 minutos chega a pizza de catupiry, que, acreditem: Estava uma delícia, fresquinha. Ahahahahaha.

E por essas e outras que um dia penso em morar em Recife. Não é? Não, talvez montar uma pizzaria, em Recife, e o Carlão, meu sogro seria o pizzaiolo.


Hasta.


domingo, 1 de março de 2009

Fim do Mundo, em Recife e na Globo


Pessoal, final de semana passado estive em Recife nas festividades do Carnaval, como já contei.

E tive a oportunidade de conhecer o navio do Greenpeace, o Artic Sunrise. Experiência incomensurável. Desde a rotina até a beleza de um navio em meio ao porto de Recife.


Aliás, eita lugarzinho pra ser fedorento, nossa. É uma mistura de grão com água de chuva, xixi, baratas, ratos e afins.


Lembrei disso porque hoje o Fantástico mostrou uma reportagem dizendo que em 2012, de acordo com o calendário Maia, o mundo deve acabar. Será? Aquecimento global e quetais?


Acredito em tudo, e em nada, com parsimônia, eheheh.


Hasta, em breve mais um capítulo da epopéia do Caduzim em Recife.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Carnaval - pte 1 (Taxistas)


Olás caros leitores e amigos. Carnaval de verdade é no Nordeste. Multiculturalismo de Pernambuco, quem não conhece está perdendo tempo. Pelo Carnaval e pelas efemérides que você coleciona!


E vamos a eles! Afinal de contas estes fatos me perseguem, é o karma do meu blog, caso contrário não teria histórias para contar.

Os taxistas em Recife parecem todos daltônicos. Nunca viram a cor vermelha, do farol fechado, sabe? Acho que perdi os 38 fios de cabelos que tinha parte traseira do couro cabeludo. Sim, quase fiquei careca. Pelo menos em 19 cruzamentos não consegui identificar a faixa de pedestre. Sei de cor e salteado os mais diversos formatos dos velocímetros dos carros de Recife, Olinda e afins. Mas um deles foi especial, um carinho especial.

Noite de Carnaval: 23 de fevereiro, Marco Zero (Recife)

Horário: 2h58, pós show do Lenine

Taxista: Cabra braaavo.

Começa a viagem rumo ao hotel. Logo de início nosso amigo inicia uma briga com o guarda de trânsito (me senti mais seguro que no presídio da Papuda-DF); depois resolve xingar a estrutura do Carnaval, que há 10 anos é a mesma coisa, interditando ruas desnecessariamente, dizendo que o policial tava ali pra brincar Carnaval, que a farda era fantasia, era falsa. E soltou um: "Oxe, nóis já deu dois arrodeio e agora?" Claro que a palavra arrodeio não foi nada fácil de compreender e demorei 2 dias para decifrar o enigma.


Mas a aventura ainda não chegou ao fim. O colega taxista (bom caráter, estilo Antônio Alves, personagem de Fábio Junior em novela de outros idos) decide fazer uma ligação para sua casa. Do seu celular fala com a patroa. perguntando sobre o filho. A conversa foi incompreensível. Era um dialeto único e no final ele me perguntou: "Oxe, meu filho é cabra safaaaaaaado, sem vergooooonha, mentirooooooso, num é?"

Eu respondi que sim, claro, como não? Sem vergonha mesmo.


A aventura chega ao fim. Que alívio. Depois de dois arrodeio, um filho cabra safaaaado e o policial falso, hasta señores!


Ainda tem muito mais.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Carnaval...


Caros leitores, pausa para o Carnaval.

Volto na quinta. Vida de jornalista é assim. Trabalhei no Natal e Reveillon, para agora tirar uns dias.

Aliás qual seria a fantasia mais apropriada para estes festejos? Reizinho ? (vide castelão)Palhaço? (essa já virou vestimenta); Rei Midas (vide os parlamentares que querem aglutinar verba indenizatória aos salários). É isso.


Na volta mais histórias de Rééécife, terra do Maracatu e afins.

Abraços

Hasta

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

TV a cabo - sobre mudança


Parace até brincadeira, mas acho que a antiga Multicanal (hoje NET) não evoluiu. As mesmas situações acontecem há 20 anos.

Vamos lá. A minha tarefa era muito simples e acredito que a deles também. Mudança de endereço, marquei a visita do técnico para o período da manhã. PS: Tá bom, é uma evolução, antes era no período comercial, do tipo, tire um dia de folga do trabalho e espere a chegada do técnico, blá, blá, blá. Bobagem.

Muito bem, no dia marcado, olho para o relógio, e adivinhem? 12h48. E? É óbvio que nenhuma alma da NET tinha chegado. Adendo; não sei para que pedem tantas vezes os seus dados pessoais (celular, CPF, etc.) e nem sequer ligam para avisar. A minha bronca era essa, falta de consideração.


Liguei lá, esperei uns 9 minutos e a mocinha informou que em 2 horinhas eles retornariam para dizer o que tinha acontecido. Pera lá!!!! Como assim cara pálida? Ja estava atrasado 48 minutos e eu teria de esperar mais duas horas para ter conhecimento do paradeiro dos técnicos? Foi exatamente esse meu argumento. Ela ignorou minha réplica e repetiu a mesma coisa. Não aguentei e pedi: Moça, por favor gostaria de falar com a sua supervisora? Ela disse: Sr, ela vai dizer a mesma coisa. Eu em espantei e conclui que atendentes e supervisores são a mesma coisa, ahahahaha. Estribuchando de raiva, disse: Ok, então me explique porque vocês não me ligaram avisando que não chegariam na hora? O meu ponto de vista é simples. Se você marca algum compromisso com alguém e não consegue chegar a tempo, avise!!! Ela não conseguiu entender isso e toda hora dizia; Sr, em duas horas nós iremos retornar a ligação, blá..blá...e eu louco da vida; Moça pelo amor de Deus, eu ja entendi que vão me ligar, mas a questão não é essa, e sim, a falta de respeito em não ligarem para dizer que não vão chegar, entendeu? Ela dizia; Sr, em duas horas....Arrrrrrr. Respondi: Ok, moça, eu aguardo.


Resultado: Não ligaram e vieram as 15h30...eheheh, vivaaaa!!

A foto acima é uma recordação que tenho em casa e não vieram retirar até hoje, acho que era da Multicanal....ehehehe

Hasta.


sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Cartórios


O assunto ainda é a minha mudança. Dessa vez para reconhecer firma em Cartório. E que via sacra, pois os fiadores e a locatária têm firmas abertas em 3 diferentes estabelecimentos.

Lá fui eu. São Paulo, sexta-feira, terra da garoa, calor (hein?!) e a via sacra pelos cartórios começava as 10h12. Quase 10 e vinte Tom.

Primeira parada: Cartório da Rua Padre Antônio José dos Santos (Brooklin). Meia horinha de estacionamento, 7 reais. Bobagem. Atendimento standard, padrão. Tempo de espera: 09 minutos, rápido até né. Tinha TV, sem som, ligada no Hoje em Dia da Record. Me pergunto, porque não ligam numa MTV? TV sem som só para quando você quer dormir com aquela luzinha no quarto, sabe?

Segunda parada: Cartório da Avenida dos Eucaliptos (Moema). O melhor de todos os cartórios que já fui. Você chega, é atendido pelo próprio escrevente, que recolhe os documentos e ele mesmo cola os adesivisinhos para reconhecer firma. FANTÁSTICO. Levei 7 minutos na fila. No caixa, para minha surpresa, a CAIXA era a responsável por assinar a documentação. Pragmatismo e funcionalidade. Free park, não desembolsei nada pela vaga no estacionamento.

Terceira e derradeira parada. Cartório da Rua Princesa Isabel (Brooklin, again). O pior de todos, em tudo. A fila é tosca, cheia de fita zebrada, como se tivesse ocorrido um crime por ali. Para entregar os documentos, um rapaz usando aquelas correntes e pulseiras de bicheiro manja? Notadamente o homem deve trabalhar lá há uns 18 anos, fazendo a mesma coisa. Totalmente de saco cheio, ele chamava: PRÓXIMO, como se estivesse a beira da morte, com uma vontade "elefântica" de trabalhar. Nem o boa tarde ele respondeu. Fiquei com medaaaaa.

Demorou uns 20 minutos e claro que a Lei de Murphy imperou. Umas das assinaturas do contrato não batia com a registrada. Conclusão, saí de lá depois de uns 40 minutos. E pior, meu dinheiro tinha acabado e tive que fazer um cheque de 4 reais para pagar o estacionamento. Fim da epopéia: 12h50.

Viva a prestação de serviços...paga!!

Hasta.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Call Center e afins


É muito interessante parar para tentar entender como funciona um serviço de call center.


Como estou mudando de endereço, hoje precisei ligar para as centrais de atendimento para informar o novo endereço.


Eletropaulo. 15h00. Tempo de espera: 16 minutos. Atendente: Leônidas (nome de boleiro)

Objetivo: LUZ!

Ao solicitar a religação, o rapaz disse: Senhor, vai levar de 24 a 48 horas para que a luz seja reestabelecida. Eu me espantei e disse: Como assim, já estou morando aqui e o antigo inquilino somente cancelou a conta, já tem luz no prédio, é só religarem. Resumo da ópera. Só poderiam religar assim, instantaneamente, se fosse caso de urgência. Ora, o que seria urgência? Eu dentro do box do banheiro, semi-nu, ligando para eles dizendo; Amigo, está frio, você poderia ligar o chuveiro?

Não consigo entender essa orientação. E o pior, perguntei ao simpático rapaz (que gerundiava a cada 20 segundos) o que seria uma urgência?

Resposta: Ah senhor, urgência ué.


Chega né?

Hasta.


quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

A dinastia dos dias de hoje!


Hoje, lendo uma matéria no site G1 , cheguei a conclusão que as coisas andam, mas sempre para o mesmo lado.

A democratização dos meios de comunicação foi amplamente debatida no Fórum de Mídia Livre em Belém do Pará? (Levante a mão que ouviu falar deste encontro, que antecedeu o Fórum Social Mundial). Nomes de gabarito e excelencia em comunicação estiveram por lá. Altamiro Borges, Bernardo Kucinsky e por aí vai.
A imprensa não noticiou. Recorro a uma frase que ouvi na faculdade (1999). "Quando o cachorro morde o homem não é notícia, quando o homem morde o cão, sim, é notícia".

Política
Continua se movendo. A maré é a mesma há 500 anos.

É só observar ao seu redor.
É isso aí.

Hasta

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Plano Decenal - "obsoletal" (licença poética)


A cada dia que passa eu penso em enfiar a cabeça numa melancia e me fechar numa redoma, para acordar daqui uns 50, não, uns 220 anos. Contrariando as regras do jornalismo tradicional não iniciei o texto de maneira objetiva, me desculpem os colegas. Tenho que rodear para não começar sapateando na cabeça dos nossos governantes e da mídia de um modo geral.


Na sexta-feira, o "brilhante" ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, anunciou o Plano Decenal de Energia. É brincadeira, mais uma vez engolimos um plano teórico, de metas. É a mesma avaliação do Plano Nacional de Mudanças Climáticas. Fica tudo no papel.


O governo perde uma excelente oportunidade de dar um impulso e incentivo às fontes renováveis de energia. E não sou eu que digo isso. O Greenpeace está fazendo um tour pelo Brasil e o lema vai nessa sentido, de aquecimento global, proposições de novas energias, etc.: SALVAR O PLANETA É AGORA OU AGORA. E o pessoal da ONG está em Fortaleza, onde o potencial eólico é gigante. Já existem alguns parques, como em Aquiraz, mas podemos fazer muito mais.


Esse Plano, da forma como está é uma simples previsão, feita de forma mecânica, com base no que já vinha sendo feito, sobre onde vamos chegar se continuarmos no mesmo caminho, ou seja, no abismo da dependência de combustíveis fósseis. De onde o mundo inteiro quer sair...


O jornalista André Trigueiro divulgou hoje (09/02/2009) em seu Blog Cidades e Soluções, no portal da Globo.com uma analogia muito interessante dos planos Lobão (Brasil) e Obama (EUA).

Longe de serem exemplos ambientalmente corretos, mas é latente a objetividade dos americanos.



"Na mesma semana em que o Brasil anunciava seu plano estratégico para o setor de energia, os Estados Unidos de Barack Obama determinavam a redução compulsória de 30% no consumo de energia das edificações
públicas federais. O plano de eficiência energética americano compreende -
entre outras medidas - que, a partir do mês de agosto, 30 produtos
eletro-eletrônicos como computadores, celulares, aparelhos de ar-condicionado,
etc, deverão sair de fábrica com metas mais rígidas de consumo de energia. Da
Casa Branca, saiu a ordem que repercute diretamente no pátio das fábricas em
favor da racionalização do consumo de energia. "


Mais claro impossível.

Hasta.


sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Heróis? Quem são?

Hoje estava naquelas salas de espera e resolvi folhear revistas do tipo Caras, Dedos, Chique e Famosos, porque eram as únicas disponíveis, antes de me picharem.


Depois de umas 15 páginas viradas, um artigo (sim, artigo!) me chamou a atenção e resolvi colocar essa discussão em debate. Um texto muito bacana do psiquiatra carioca Paulo Sternick, que fala sobre a pressão que todos nós colocamos sobre nossas vidas. De ser bem sucedido, de ser o cara que sabe falar sobre tudo, de ser aquele que segue todas as tendências da moda sem errar em nenhuma combinação de cor, por exemplo. De nos tornarmos celebridades dentro do nosso meio, de ser aquilo que projetamos em outrém, e nunca em nós mesmos.



Na verdade não paramos para pensar em pequenos detalhes, como a faxineira que vai em casa e cuida de 9 filhos e ganha um salário mínimo. Esses sim são os verdadeiros heróis.



Inclusive me fez voltar a ler o livro do Roberto Shinyashiki, Verdadeiros Heróis. O título coloca um ponto de interrogação neste termo: herói. Quem são eles?



ET: A foto é uma homenagem aos meus heróis...dos quadrinhos...e da vida...


Pense.

Hasta

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Global Warming - e a cegueira


Ontem "comprei" o DVD do filme O dia que em que a terra parou e mais uma vez o tema aquecimento global veio à tona.


Antes explico que comprei, entre aspas, pois o preço sugerido do original é impraticável. Mais de 50 reais.

De volta ao filme, é uma ficção bem escrita, roteiro interessante. Todos os dias nós nos deparamos com matérias sobre o tal aquecimento global e este fime nos leva a algumas reflexões. A primeira é que de fato teremos que, por bem ou por mal, cuidar do planeta. E fica claro no filme que Ele, planeta, não é nosso, é do Cosmo, etc.

Segundo, estamos atingindo o ápice dessa falta de zelo. (Hoje, almoçando com o amigo jornalista Mombelli, ele me relatou que na cidade de Socorro, interior do Estado de São Paulo, um proprietário vendeu parte de suas terras, que ficam na encosta de um morro, e não houve nenhuma fiscalização, preocupação em saber se podia ou não, ou seja, em Socorro e em trocentas outras cidades isso deve acontecer e ninguém ta nem aí).

E por último uma coincidência. Quase no final do filme, a protagonista começa a falar initerruptamente, como se fossem as últimas palavras delas, suplicando ao etezinho: "We can change, we can change, we can change".

E ai, lembrou-se de Barack Obama? Ele vai nos salvar? ehehehe

Hasta.




segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Greenpeace x Aquecimento Global x Carlos Minc


O navio do Greenpeace está no Brasil, passou por Belém do Pará e agora segue rumo ao nordeste brasileiro. Mas o que me chamou a atenção, além da aceitação massiva do público paraense, foi a visita do ministro do Meio Ambiente Carlos Minc.


Ao que tudo indica parece que o nosso amigo acordou para a gravidade das mudanças climáticas. Ele declarou que precisamos investir em Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs); que energia solar é o futuro, que o a biomassa é uma excelente saída, blá, blá, blá.


Minc fala de energias renováveis, que o futuro do planeta está no Brasil, que o nosso país é a mola propulsora do segmento energético, que a nossa matriz é riquíssima, enfim. No papel acho ótimo, mas na prática vimos o Plano Nacional de Mudanças Climáticas e as críticas vieram à galope.


As pessoas não têm idéia do tamanho do buraco, ipsis literis, que é o aquecimento global. O planeta vai derreter derreter minha gente. Não ouço falar de incentivo à indústria de renováveis, leio matérias do tipo: Energia solar, ok, mas é 10 vezes mais cara...Energia eólica, o Brasil tem um exclente potencial, mas é caro... Chega deste discurso, mãos a massa deputados, senadores, governadores, prefeitos, vereadores, população, etc.


Acompanhem este tour do Greenpeace. Em São Paulo, no mês de março no litoral paulista, cidade aprazível de Santos. Nos vemos lá.

Abraços


Hasta


sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Injustiça - Pisaram na BO..la - LULA


Protesto.
Nesta quarta-feira o presidente Lula assinou um decreto/medida provisória repassando 6 milhões de hectares de terras da União (pertencente a nós) para o estado de Roraima.

Acredito que todos estão acompanhando ou escutaram falar do celeuma sobre a demarcação das Reservas Indígenas Raposa Serra do Sol. Pois bem, pelo andar da carruagem os ministros do Supremo Tribunal devem decidir pelo lado dos índios. E os arrozeiros, tadinhos, para onde vão?

Tempo Lombardi................Ahá! O governador do estado de Roraima comemorou e já disse: "Bacana, brigado Lula, vou doar para os arrozeiros."

Pergunta: e a Reforma Agrária? Há 25 anos, como estampou na capa a Revista Veja, "invadindo" terras e impune!!! Pára, e o governo federal "deu" de mão beijada 25% do estado para esses caras. E o povo que quer um pedacinho de terra, 1 hectare que seja, não leva nada? No mínimo sacanagem.

Eiiii politicagem sem vergonha.
Hasta.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Já parou alguma vez?



Você já parou para pensar sobre o que poderia fazer por um mundo mais justo, melhor, igual, sustentável? Muita gente não está nem aí pra nada, só quer saber de capitalizar, e é claro que sem dinheiro não vivemos. Mas vou além, muito mais. Questione, e torne-se um ideológico sem eira nem beira, um ufanista que vai morrer de fome. Mas ainda assim, faço um exercício.

  • Você alguma vez quis fazer uma boa ação e não teve coragem, como por exemplo dar carona ao seu colega de trabalho, mas para isso seria preciso desviar 48 metros da sua rota original? Ou ainda sair à rua e na porta do seu prédio ou casa, dar de cara com um morador de rua sujo, mas que se lhe desse um banho, talvez fosse o maior acontecimento da vida dele nos últimos anos?

  • Você já parou para pensar que alguns políticos ganham horrores, trabalham de segunda a quinta, sonegam, se envolvem em escândalos, têm motorista particular, tem tudo quanto é auxílio (terno, gravata, gasolina, xerox, ração pra cachorro, etc.) enquanto você - que pode até ter um salário legal - financia esses caras?

  • Você, em algum momento da vida, pensou em ser jogador de futebol (direcionado aos machos) para poder ter todas as cifras bancárias, simplesmente correndo atrás de uma bola, coisa que seu filho no auge dos 3 anos faz tão bem, mas nunca por dinheiro, por diversão?

  • Você já tentou levar adiante alguma reclamação por causa do péssimo serviço que lhe foi prestado? Ah, deixa pra lá né, não adianta! Aperte o enter e vamos para a próxima página. Mas você já parou para ver se vai adiantar?




Eu já, parei, paro e penso. Se fiz? Acho que somente 2% do que gostaria.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Revista VEJA - ou NÃO OLHE


A Revista Veja dessa semana é de se pensar sobre o que os interesses podres da mídia podem influenciar gerações e opinões.


Em um momento em que o mundo inteiro fala sobre a posse do primeiro presidente negro dos EUA, a Revista VEJA estampa na capa uma matéria sobre Aborto. Esclareço desde já que considero importantíssimo o assunto, mas não, não, não agora. Já li trocentas matérias sobre Aborto. E a VEJA destacou o seguinte: A posse do presidente Powerpoint (?!?! hein, como assim cara pálida), Obama rompe com políticas do governo Bush, e coisas do gênero. Minha gente, nem o americamo mais junk food concorda com esse senhor que deixou o comando dos EUA.

O outro destaque da capa: MST 25 anos de crime e impunidade. Ahahahaha, só rindo mesmo. Quem lê imagina que o movimento é terrorista, já que tanto se fala sobre o assunto. Não cita nada sobre a importância da reforma agrária, dos avanços, dos latinfundiários, nadica de nada. Imaginem, tática de guerrilha. Não defendo o movimento, mas aja parcialidade, que coisa feia.

E o último destaque é com relação ao escritor Cesare Batistti. Diz algo assim: Tivemos acesso aos arquivos, é terrorista mesmo. Bom, porque então a VEJA não pede filiação ao FBI, à INTERPOL, que desperdício fazer jornalismo (?).
Hasta por hoy.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Festa da Pátria - hein?!


Ontem, quinta (22), fui ao aniversário de uma grande amiga (Dani Tabarelli), e nessas festinhas os conversês (licença poética) são os mais variadas possíveis. Um lugar cheio de pautas.


Estava a conversar com a mãe do meu irmão Piva, que contou uma longa e interessante história sobre nação. Ele, meu amigo se chama Fábio Tahan Piva, ou seja, origem árabe. Mas a mãe dele nasceu na Síria, no entanto as leis desse país são diferentes e a nacionalidade da pessoa é determinada de acordo com a do pai, ou seja, Egito. Um confusão só!


Enfim, chegou-se a conclusão que ela já foi considerada apátrida, mandaram-na ao Egito, devolveram-na à Síria e hoje é brasileira de RG e tudo mais.


O que me chamou a atenção, em determinado momento do bate-papo, foi o seguinte. Eu perguntei a ela porque não tiraria dupla cidadania, no caso síria. Ela me respondeu: Eu, com passaporte sírio vou entrar onde, para que me serve? Na hora, não aguentei e soltei: Ora, na Base de Guantánamo você será sempre bem vinda. Óbvio que falei em tom sacástico e com total liberdade, memso porwque sou ocidental e nada tenho a ver com essa discussão. Todos caíram na gargalhada, mas vamos nos atualizar turma!!


Barack Obama assinou decreto que ordena o fim de Gunatánamo e de outras bases militares secretas que prendem SUSPEITOS de terrorismo.

Aff, finalmente!

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

We can change!


Viva Obamaaaa!


Que festa foi essa? Que auê foi esse? Que residente será esse? Que política com o Oriente Médio será implementada? Que nomes e sobrenomes são esses? Barack. Obama.

O primeiro negro a comandar os EUA. We can change!

Aliás vale assistir estes dois vídeos: wassup 2008 e wassup.
Faço votos para que ele possa governar de maneira completamente oposta ao Bush.
Que ele finalmente assine o Protocolo de Kyoto, que ele acabe com aquela barbárie que é Guantánamo, que ele tente acabar com essa mentalidade burra e escrota de "fazer guerra"a todo custo, que seja um bom presidente.


Boa sorte meu caro.

Hasta.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

À Francesa - Revolução de Valores


Com a colaboração de Gabi Vuolo

Da França
"Será que por aí uma nova Revolução de Valores? "
Esta é a frase que define o email que recebi da companheira Gabriela. Ao linkar para a nota do UOL, me surpreendi. Direto da França números alarmantes. Marcas de roupas e grifes francesas estão sentindo os reflexos da crise internacional literalmente nos bolsos de suas jaquetas e encharpes. A Channel anunciou a demissão de 200 empregados, cerca de 1 % dos trabalhadores.

Quem disse que a crise não a-tingiria a indústria da moda? A Louis Vitton cancelou a construção da maior loja do globo no Japão. Gabi Vuolo: Seria o fim da era do Luxo?
O fim eu não ousaria dizer, pois ainda tem gente que gasta e enriquece a indústria, até ai nada contra, eu respeito. Aliás me lembrei do amigo Tunico, que teve o ingrato prazer de visitar a decoração natalina do Shopping Cidade Jardim, mas fica para um próximo post. Voltando ao nosso tema, leiam com atenção estes 3 parágrafos abaixo:


Alain Nemarq, presidente da famosa joalheria Mauboussin, afirmou numa entrevista que salvar a indústria do luxo deveria ser uma importante prioridade nacional porque ela emprega 200 mil pessoas na França, é parte da herança cultural francesa, dá prestígio ao país e seduz não apenas os "poucos felizardos", mas uma grande fatia do público. Em vez de tentar manter a máquina funcionando ao promover bolsas caras, relógios e outros bens, ele propôs algo impensável: a indústria do luxo inteira deveria cortar os preços. "Precisamos de um retorno à razão, decência, discrição, beleza e criatividade - em outras palavras, aos valores verdadeiros", disse Nemarq. (A Maubooussin saiu na frente dando o exemplo. Vendeu seu anel com um diamante de um quilate chamado "Chance para o Amor" por cerca de US$ 14.500, quase um terço a menos do preço normal, e seu anel de diamante mais barato, de 0,15 quilates, foi colocado à venda por US$ 895, disse Nemarq).
Então? Será que entraremos numa Le Lis Blanc da vida com preços da C&A? Ou compraremos calças da Diesel pelo preço das calças da Kaiz Brasil (lojinha simpática na Avenida Santo Amaro?)

Se quiserem ler a matéria toda.
Hasta. Vai Obamaaaa...vai que tua meu caro!!!